Técnicos do IG orientam ações em São Luiz do Paraitinga e Cunha

Técnicos do Instituto Geológico – IG, ligado à Secretaria do Meio Ambiente do Estado de São Paulo – SMA, trabalham, desde o final do ano passado, em algumas cidades do Vale do Paraíba no atendimento às vítimas das fortes chuvas que atingiram a região. O trabalho dos especialistas consiste na avaliação dos deslizamentos de terra, na necessidade de remoção de famílias que vivem em residências localizadas em áreas de risco e na orientação aos trabalhos da Defesa Civil e do Corpo de Bombeiros.

No município de São Luiz do Paraitinga, um dos mais castigados pelas fortes chuvas, duas técnicas do IG, a geóloga Lídia Keiko Tominaga e a geógrafa Rosângela do Amaral acompanham e orientam o Corpo de Bombeiros na busca de vítimas. As especialistas substituíram na última segunda-feira, 04.01, o engenheiro civil especializado em geotecnia, Rodolfo Moreda Mendes. O técnico do IG foi o primeiro a chegar no município, na manhã de domingo, 03.01, ao ser acionado pela Coordenadoria Estadual de Defesa Civil. Conforme estabelecido no Plano Preventivo de Defesa Civil – PPDC, os técnicos do Instituto Geológico ficam de prontidão para atender aos chamados do órgão durante o período crítico de chuvas.

No domingo, o engenheiro civil vistoriou cerca de 20 moradias, todas elas com problemas estruturais graves. Rodolfo reiterou a necessidade de remoção das famílias e orientou a Defesa Civil a proceder na demolição das residências com maior comprometimento estrutural. Além do atendimento na área urbana, o técnico acompanhou por cerca de sete horas a abertura de um canal artificial de drenagem para contornar o material depositado sobre um corpo d’água, na base da encosta de um morro, na área rural de São Luiz do Paraitinga, ocasionado por um deslizamento de terra.

A medida serve para evitar que o material, formado basicamente de blocos rochosos, terra e troncos de árvores, se misture com a água do rio e se transforme em uma lama que pode seguir o curso do corpo d’água e causar maiores problemas a diante. A região, na qual vivem cerca de 300 pessoas, estava completamente isolada, com acesso somente por helicóptero, o que dificultou o trabalho de toda a equipe. As técnicas Lídia Keiko Tominaga e Rosângela do Amaral continuam em São Luiz do Paraitinga acompanhando o trabalho do Corpo de Bombeiros e da Defesa Civil.

Cunha

O geólogo Jair Santoro e o geógrafo Rogério Rodrigues Ribeiro, ambos do IG, estão no município de Cunha desde o dia 04.01. De acordo com os especialistas, a situação do local é crítica devido a diversos escorregamentos, tanto na zona urbana quanto rural, que está sem acesso por conta da queda de várias pontes. Até ontem, 05.01, os especialistas indicaram a remoção de famílias que habitam 120 residências.

De acordo com Santoro e Ribeiro, em apenas 18 horas choveu o equivalente a 280 milímetros. Em vistoria realizada na rodovia que liga Cunha a Paraty foram detectadas diversas trincas, o que fez os especialistas acionarem o Departamento de Estradas e Rodagem – DER para providenciar os reparos imediatos no local. Como a situação do município é crítica, não há previsão de retorno dos técnicos à capital, onde fica a sede do IG.

Guaratinguetá

Na véspera do feriado de ano novo, o engenheiro Rodolfo Moreda Mendes também atuou no atendimento às vítimas do município de Guaratinguetá. O técnico chegou na cidade por volta das 8h30 para acompanhar os trabalhos em seis áreas de risco com inundações e escorregamentos. Após a vistoria, o técnico constatou a necessidade de remoção de aproximadamente 240 pessoas. No próprio dia 31.12 o município estava em estado de atenção, devido ao acumulado de chuva de 161 milímetros nos últimos três dias.

A recomendação do técnico do IG à Comissão Municipal de Defesa Civil foi de acompanhar os índices pluviométricos acumulados e manter o monitoramento das moradias durante os períodos de chuva, conforme preconiza o Plano Preventivo de Defesa Civil – PPDC, específico para escorregamentos.

Além das cidades do Vale do Paraíba, o geólogo Jair Santoro e a geógrafa Rosângela do Amaral atuaram, nos dias 30.12 e 01.01, em áreas de risco em São Sebastião, no litoral norte, e Franco da Rocha, na Grande São Paulo. Amanhã, 07.01, o Instituto Geológico deve enviar uma equipe no município de Guararema.


Comunidades ficaram isoladas em São Luiz do Paraitinga
Comunidades ficaram isoladas em São Luiz do Paraitinga
Deslizamento atingiu os fundos das casas em Guaratinguetá
Deslizamento atingiu os fundos das casas em Guaratinguetá
Deslizamento de terra em São Luiz do Paraitinga
Deslizamento de terra em São Luiz do Paraitinga
Escorregamento de terra atingiu rodovia em Guaratinguetá
Escorregamento de terra atingiu rodovia em Guaratinguetá
Inundação atinge fundos de residência em São Luiz do Paraitinga
Inundação atinge fundos de residência em São Luiz do Paraitinga
O nível da água cobriu parte das casas em São Luiz do Paraitinga
O nível da água cobriu parte das casas em São Luiz do Paraitinga
Residência em área de risco em Guaratinguetá
Residência em área de risco em Guaratinguetá
Trincas no topo do morro indicam possíveis escorregamentos em Guaratinguetá
Trincas no topo do morro indicam possíveis escorregamentos em Guaratinguetá