São Paulo inicia recuperação florestal da Serra do Mar

21/09/12 22:43

São Paulo inicia recuperação florestal da Serra do Mar

Estado vai plantar um milhão de mudas na maior área protegida da Mata Atlântica brasileira. Investimento do Programa é de mais de R$ 1 bilhão, sendo R$ 650 milhões do Governo de São Paulo e R$ 325 milhões do BID

“Não poderíamos comemorar o Dia da Árvore de maneira mais alegre e com melhor ação para o meio ambiente. Hoje, plantamos as primeiras mudas de um milhão que enriquecerão a Serra do Mar”. Com essa frase, o governador Geraldo Alckmin abriu o evento comemorativo do Dia da Árvore no estado de São Paulo, nesta sexta-feira, dia 21.

O estado de São Paulo iniciou o reflorestamento dos bairros Cota,em Cubatão. Essa é a principal ação do Programa de Recuperação Socioambiental da Serra do Mar, que receberá R$ 1.071 bilhão de investimento.
O governador e o secretário do Meio Ambiente, Bruno Covas, e crianças do bairro Cota 95, plantaram as primeiras 150 mudas de espécies nativas das mais de um milhão previstas para o plantio em 1.270 hectares que serão recuperados/enriquecidos até 2014, na Serra do Mar.

“A Serra do Mar, uma das principais áreas de preservação ambiental do país, ganhou um presente especial. Árvores, abrigo para animais ameaçados de extinção e fonte de água. Onde famílias viviam em áreas de risco e a mata foi degradada, nova floresta será plantada”, afirmou o secretário Bruno Covas.

Na ocasião, o governador anunciou a implantação do Sistema Integrado de Monitoramento – SIM nas áreas protegidas do estado e apresenta o novo uniforme da Polícia Militar Ambiental.

Programa Socioambiental de Recuperação da Serra do Mar
A transferência das primeiras famílias que viviam nas áreas de risco dos bairros cotas para novas moradias em bairros construídos, com destaque para a qualidade de vida da população, permitiu ao Governo de São Paulo dar início à nova fase do Programa de Recuperação Socioambiental da Serra do Mar – a devolução da floresta nas encostas. Começa com o plantio de 150 mudas de espécies nativas da Mata Atlântica na Cota 400.

O programa é uma parceria do Banco Interamericano de Desenvolvimento – BID com o Governo de São Paulo com investimento de R$ 1.071 bilhão para a construção de novas moradias, reurbanização de bairros, recuperação de áreas degradadas da mata atlântica e fortalecimento da gestão de parques estaduais, estações ecológicas e APAs Marinhas.
O Governo de São Paulo está investindo 61% desse recurso, R$ 650 milhões, o BID 30%, com investimento de R$ 325 milhões, e o Governo Federal 9%, aplicando R$ 96 milhões.

A parceria permitiu a implantação do maior projeto de reassentamento habitacional vinculado à recuperação de unidades de preservação em execução no mundo. Nessa primeira fase do programa, mais de nove mil famílias serão beneficiadas. Dessas, 6.750 famílias que habitam áreas de risco estão sendo transferidas para novas moradias construídas pela Companhia de Desenvolvimento Habitacional e Urbano do Estado de São Paulo – CDHU. Outras, 2.410 famílias serão beneficiadas com obras de urbanização nos núcleos remanescentes na Serra do Mar, fora da área do Parque.

A estimativa para a segunda etapa do Programa, voltada para os moradores do entorno da área do parque, é de que 15 mil famílias sejam contempladas. A previsão é iniciar a nova fase em 2013. Ao todo, serão contempladas diretamente pelo Programa cerca de 24 mil famílias.

O Governo do Estado de São Paulo, por meio da Secretaria do Meio Ambiente, vai recuperar 90 hectares em Cubatão,200 hectares em outros municípios de abrangência do Serra do Mar e substituir 130 hectares de remanescentes de reflorestamento com exóticas por espécies nativas. Outros 850 hectares de florestas serão enriquecidos com espécies raras e ameaçadas de extinção, gerando emprego e renda para as comunidades do entorno.

Sistema Integrado de Monitoramento – SIM
O Sistema Integrado de Monitoramento – SIM, é um programa de fiscalização das áreas protegidas de São Paulo. O SIM tem o objetivo de estabelecer ações integradas de fiscalização e monitoramento das unidades de conservação – UCs, concomitante com os diversos órgãos que atuam no controle dos recursos naturais paulista.

Na prática, a Polícia Militar Ambiental, a Coordenadoria de Fiscalização Ambiental – CFA – da SMA, e os gestores das UCs subordinadas à Fundação Florestal, ao Instituto Florestal e ao Instituto de Botânica passam a atuar de forma integrada. A ideia é atuar na prevenção de ocorrências como caça, extração ilegal de palmito, ocupação irregular nas áreas urbana e rural e outras ações contra o meio ambiente.
O SIM vai operar em 64 áreas protegidas do estado. São Paulo tem hoje 933.217,64 ha de UCs de Proteção Integral, representando 3,76 % do território paulista.

Novos uniformes da Polícia Ambiental
Os 2,4 mil oficiais e praças da PMA receberão até o fim do ano um novo uniforme, concebido especialmente para a atividade do policial ambiental. A nova farda alia tecnologias avançadas da área têxtil, propiciando maior conforto ao usuário, maior flexibilidade de movimentos e economia financeira para os cofres públicos. O novo uniforme atende um antigo desejo da tropa. As peças e acessórios são mais leves, confeccionados em tecido com reforço que propiciam melhor articulação dos movimentos do corpo, adequando-se aos diferentes tipos de ambientes de atuação, tanto rurais quanto urbanos.

O investimento no novo fardamento do policiamento ambiental foi de R$ 908.136,00. Esse valor é menor R$ 848.184,00, quando comparado com o custo do modelo antigo que era de R$ 1.756.320,00.

Novos apartamentos
Na seqüência do evento, o governador cumpriu mais uma etapa do programa. Foram entregues 518 novas moradias do CDHU, nos residências Rubens Lara e Parque dos Sonhos, na cidade de Cubatão.

O Programa já transferiu 2.806 famílias de áreas de risco e proteção ambiental da Serra do Mar para imóveis da CDHU. “São dois trabalhos simultâneos, que se complementam. O primeiro é oferecer moradia segura e de qualidade para as famílias. E o segundo é recuperar a Serra do Mar, pois à medida em que as famílias vão mudando, acontece a recuperação do local”, concluiu o governador Geraldo Alckmin.