Responsabilidade socioambiental é tema de mostra em São Paulo

A II Mostra FIESP de Responsabilidade Socioambiental, iniciada nesta quarta-feira (13/08) no Pavilhão da Bienal, no Parque do Ibirapuera, em São Paulo, reuniu empresários, governos e a sociedade com a finalidade de disseminar a questão da sustentabilidade, introduzindo esse princípio na gestão de empresas e governos. A abertura da mostra contou com a participação do secretário estadual do Meio Ambiente, Xico Graziano, o ministro de Meio Ambiente, Carlos Minc, e o presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo – FIESP, Paulo Skaf, entre outros.

Para Graziano, houve um avanço da primeira mostra - realizada no ano passado - , para a edição de 2008. “É notável o crescimento das idéias de sustentabilidade na construção e na mentalidade do empresariado paulista”, comparou. O secretário também anunciou a assinatura do protocolo que será firmado na próxima semana com a FIESP e o setor de mineração, com o objetivo de ajustar as práticas ambientais e reduzir os passivos perdidos no processo, por meio de melhorias tecnológicas. “A produção sustentável não pode se restringir à reciclagem, ela tem que estar presente na cadeia produtiva, por meio da produção mais limpa. Temos que passar da maquiagem ambiental para a sustentabilidade efetiva”, declarou.

Para o presidente da FIESP, há um trabalho permanente, no empresariado paulista, não só de conscientização, mas de execução perante a responsabilidade socioambiental. “Temos que fazer acontecer aquilo que for melhor para o País, o Estado e para a sociedade, sempre com responsabilidade”, disse Skaf. “A parceria do setor de mineração com o meio ambiente era um paradigma. Hoje não é mais”, enfatizou.

Durante a abertura da mostra, foi assinado o protocolo, firmado entre o Ministério do Meio Ambiente e a FIESP, com a finalidade de viabilizar a produção, o uso e o consumo sustentável dos produtos madeireiros originados da Floresta Amazônica, de forma que os setores industriais do Estado de São Paulo utilizem apenas madeira de origem florestal certificada. Segundo Minc, os contratos de compra e venda deverão apontar a origem da madeira, para que o consumidor possa saber de onde é aquele insumo, no momento de comprá-lo. “O nosso objetivo é criar uma cadeia de legalidade, estabelecendo metas e dando apoio aos setores”, afirmou.


Luminárias de PET
Luminárias de PET
Para Graziano
Para Graziano
 as empresas precisam passar da maquiagem ambiental para a sustentabilidade
as empresas precisam passar da maquiagem ambiental para a sustentabilidade
Pufs feitos com bunners
Pufs feitos com bunners