Programa une Fundação Florestal e governo francês em gestão de áreas

A Fundação Florestal, órgão da Secretaria do Meio Ambiente, participa desde 2006 de um programa de cooperação com o governo francês com a finalidade de promover o intercâmbio de informações e conhecimentos sobre gestão de áreas protegidas, elegendo como áreas-piloto o Parc Port Cros e Parc Regional du Verdon, na região de Provence, Alpes e Côte D’Azur, na França, e o Parque Estadual de Ilhabela e o Mosaico Juréia-Itatins, no litoral do Estado de São Paulo.



Dentro do que prevê o protocolo de intenções assinado pelo Estado de São Paulo e a Região Provence-Alpes-Côte D’Azur, técnicos franceses já realizaram três visitas ao Brasil consolidando a proposta de estabelecimento de diretrizes e compromissos para o fortalecimento de laços econômicos, sociais e culturais, com ênfase na temática da conservação e áreas protegidas.



No sentido inverso, representantes da Fundação Florestal, integrando uma missão brasileira, estiveram na França no período de 13 a 20 de outubro passado. O grupo, chefiado pelo diretor-executivo da instituição, José Amaral Wagner Neto, contou com a participação de Lucila Pinsard Vianna, assessora, e dos diretores do Parque Estadual de Ilhabela, Carolina Bio Poletto, e da Estação Ecológica Juréia-Itatins, Joaquim de Marco Neto, além da assessora do Núcleo de Relações Internacionais da Secretaria do Meio Ambiente, Ana Paula Fava.



Além de participar de seminários e realizar visitas técnicas a áreas protegidas, o grupo participou de reuniões levantando materiais, ferramentas e metodologias de gestão de áreas protegidas, que podem subsidiar as atividades vinculadas ao Sistema Estadual de Florestas do Estado de São Paulo – SIEFLOR. Entre outros temas previamente definidos no programa de cooperação, foram abordadas questões como consolidação e selos de certificação de parques, metodologia de criação e implementação de mosaicos e áreas protegidas e conselhos consultivos. No decorrer das reuniões outros temas foram discutidos, como turismo náutico, metodologia e técnicas de criação de trilhas marinhas, processo de criação de parques regionais, políticas públicas, educação ambiental e mosaico de gestão de parques, com o envolvimento de representantes dos governos, sociedade e cientistas.



Reunião do PNUMA



Wagner Neto e Ana Fava participaram, ainda, no dia 20 de outubro, em Paris, de uma reunião da área de tecnologia, indústria e economia do Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente – PNUMA, para conhecer os programas e experiências desenvolvidos em diferentes lugares do mundo, para prospectar oportunidades de parceria com o Estado de São Paulo. Os temas abordados, entre outros, foram sobre co-gestão de áreas protegidas com comunidades tradicionais, capacitação de gestores, fontes de recursos, pescaria artesanal, turismo sustentável e certificação ambiental de produtos.



O PNUMA demonstrou interesse em uma parceria com o Estado de São Paulo na área de turismo sustentável, desenvolvendo mecanismos para que o turista se torne um agente ativo influenciando as práticas dos operadores, incentivando ações sustentáveis como o consumo de peixes nos períodos favoráveis, de forma a não impactar o processo de reprodução das espécies.



Outro tema de interesse para a Fundação Florestal foi o programa de turismo sustentável em áreas costeiras, onde o crescimento populacional ao lado do industrial constitui fatores que pressionam essas regiões.Projeto com essa finalidade prevê a elaboração de produtos como um manual de planejamento de gestão e desenvolvimento e a implementação de um projeto-piloto.



Outras questões tratadas na reunião foram aquecimento global, investimentos em turismo, “softwares” para capacitação de agentes de turismo de países em desenvolvimento, a inserção do turismo na Agenda 21, criação de selos ambientais em economias emergentes e cobranças de serviços ambientais.