Minuta do Decreto de Criação das APAs Marinhas será discutida via internet

A minuta do decreto que criará as APAs – Áreas de Proteção Ambiental – do Litoral de São Paulo será disponibilizada para consulta pública, via internet, por 30 dias, a partir da próxima segunda-feira (26/05), no endereço www.ambiente.sp.gov.br . O novo prazo foi dado pelo secretário estadual do Meio Ambiente, Xico Graziano, após encontro com lideranças da pesca artesanal, moradores tradicionais e ongs representativas do setor náutico, em Ubatuba, na última segunda-feira (19/05). Graziano entendeu que as três Consultas Públicas realizadas em Iguape, São Vicente e Ilhabela, para apreciação da minuta apresentada por técnicos da Secretaria Estadual do Meio Ambiente (SMA), foram insuficientes para incorporação das sugestões e críticas dos setores envolvidos com a regulamentação proposta.

Para o secretário do Meio Ambiente de São Paulo, a criação das APAs do Litoral Sul, Centro e Norte tem como foco garantir o desenvolvimento sustentável, favorecendo a pesca artesanal e combatendo a pesca predatória, nociva para todos. Graziano lembrou que a criação das APAs se dará com o reforço da ação da Polícia Ambiental no combate à pesca irregular, principalmente a pesca profissional de arrasto com parelhas. Para tanto, será criada uma unidade especial de policiamento marítimo, formada por 90 policiais treinados para ações no mar e equipados com seis lanchas, que permitirão a abordagem de pesqueiros de grande porte, que atuem irregularmente.

A criação das APAs litorâneas visa combater a exploração desordenada e predatória dos recursos marinhos, que vêm sofrendo uma redução na oferta do pescado. Se não houver uma forma de uso sustentável dos recursos naturais do mar, é consenso que se terá a perda da diversidade biológica e cultural, e empobrecimento e marginalização das comunidades tradicionais costeiras.


A Secretaria promoveu um amplo debate em Ubatuba
A Secretaria promoveu um amplo debate em Ubatuba
 no dia 19 último
no dia 19 último
Chacrinha
Chacrinha