Limpeza com coco-verde

A casca de coco-verde mostrou em testes realizados na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) um bom desempenho na etapa inicial de remoção da matéria orgânica em um sistema de tratamento de esgoto doméstico de pequenas comunidades. Como nesses locais normalmente a questão sanitária ainda está longe de ser resolvida, os filtros anaeróbios apresentam grande potencial de utilização, pelo baixo custo de instalação, manutenção e operação. Partindo dessa constatação, pesquisadores da Faculdade de Engenharia Civil, Arquitetura e Urbanismo da Unicamp, sob orientação do professor Bruno Coraucci Filho, testaram o desempenho da casca de coco-verde, por ser bastante resistente à degradação, como suporte de filtros anaeróbios de fluxo ascendente em uma primeira etapa de um sistema de tratamento de esgoto. Os estudos, feitos com o esgoto bruto derivado de uma região da universidade na qual circulam cerca de 10 mil pessoas por dia, mostraram que o material conseguiu remover 69% da matéria orgânica em relação ao esgoto bruto.