Inventário aponta maiores indústrias emissoras de CO2

As oito primeiras colocadas no inventário das 100 maiores indústrias emissoras de gás do efeito estufa são responsáveis por 63% do total de emissões do Estado de São Paulo, o que equivale a mais de 18 milhões de toneladas de CO2 por ano. A informação foi divulgada nesta quarta-feira (23/04) durante a apresentação feita pelo diretor de Engenharia, Tecnologia e Qualidade Ambiental da CETESB, Marcelo Minelli, na reunião do CONSEMA - Conselho Estadual do Meio Ambiente, em São Paulo. A apresentação do inventário, que está disponível no site da agência ambiental paulista – no endereço www.cetesb.sp.gov.br/100co2.pdf - ,  contou com as presenças do secretário estadual do Meio Ambiente, Xico Graziano, do presidente da CETESB – Companhia de Tecnologia de Saneamento Ambiental, Fernando Rei, e do idealizador do inventário, o ex-secretário do Meio Ambiente José Goldemberg.

Segundo Goldemberg, a identificação dos grandes setores emissores de CO2 serve como um incentivo à adoção de metas de redução, sem que isso seja um instrumento punitivo. “Fazer esse inventário traz São Paulo para a mesma posição que a Califórnia tem nos Estados Unidos. Qualquer redução que possa ser feita no Estado já coloca o país à frente da agenda ambiental internacional”, disse o ex-secretário.

O inventário foi feito com base nos critérios estabelecidos para avaliações das emissões de CO2 do Intergovernmental Panel on Climate Change – Guideline for National Greenhouse Gas Inventories – IPCC/2006 e da Diretiva da Comunidade Européia, de 1996, sobre a base de dados dos empreendimentos licenciados pela CETESB. Conforme tais critérios, foram considerados o consumo de combustível fóssil e a produção industrial nas estimativas de emissão de cada indústria.

Para a elaboração do inventário, foram selecionadas 371 empresas do Estado com maior potencial de emissões. Dessas, 329 disponibilizaram informações para o inventário. Os quatro setores industriais considerados os maiores emissores foram o de aço e ferro gusa, minerais não metálicos, químico e petroquímico.

No entanto, é preciso levar em consideração que 43% do CO2 emitido pela indústria é proveniente de combustível renovável. “Se somente o combustível fóssil fosse usado, as emissões de CO2 aumentariam 50 milhões de toneladas por ano”, afirma Minelli.

Segundo o secretário Xico Graziano, a próxima etapa é terminar o inventário dos outros setores que emitem CO2 como, por exemplo, o de energia, transporte e comércio. “Até o fim do ano, ainda vamos agregar outras informações e complementar o inventário com setores que ainda não foram contabilizados”, disse o secretário.


Goldemberg disse que o inventário incentiva a adoção de metas de redução.
Goldemberg disse que o inventário incentiva a adoção de metas de redução.
O diretor Marcelo Minelli
O diretor Marcelo Minelli
 da CETESB
da CETESB