Governos e Indústria se unem para debater gestão de resíduos da construção civil

04/07/12 14:21

Governos e Indústria se unem para debater gestão de resíduos da construção civil

Realizado em Sorocaba, é o primeiro de nove encontros de capacitação técnica para incentivar a gestão responsável de resíduos sólidos do setor

É o primeiro encontro de capacitação técnica para incentivar a gestão responsável de resíduos

O município de Sorocaba promoveu, na terça-feira, 26 de junho, o primeiro “Resíduos da Construção Civil – Soluções e Oportunidades”, evento de capacitação técnica para a correta gestão de resíduos da construção civil. Fruto do convênio realizado entre a Secretaria do Meio Ambiente (SMA) e o Sindicato da Indústria da Construção Civil (SindusconSP), o encontro,  realizado no SESI de Sorocaba, tem como objetivo incentivar municípios, geradores, transportadores e demais áreas de beneficiamento e destinação a implantar a gestão e o descarte ambientalmente corretos dos resíduos do setor. Ao todo serão nove encontros de capacitação técnica regionais no Estado de São Paulo, e o próximo está marcado para 12 de julho, na cidade de São José do Rio Preto.

A importância de parcerias entre o Governo do Estado de SP e a iniciativa privada para a solução dos problemas enfrentados pelo setor da construção civil foi enaltecida na abertura do evento, que contou com a presença de representantes do Ministério do Meio Ambiente (MMA), SMA e da Prefeitura e Sinduscon de Sorocaba.  A capacitação seguiu com dois paineis, apresentados por especialistas na área.

Palestras e debates

“Resíduos da Construção Civil – Soluções e Oportunidades” contou com dois paineis, com apresentações sobre políticas públicas, mudanças, soluções e oportunidades no setor da construção civil para melhorar a gestão de seus resíduos.

O primeiro painel abordou as políticas públicas voltadas aos resíduos.  A palestra inicial foi apresentada por Ronaldo Hipolito, gerente do MMA, que explicou alguns pontos principais, como a inclusão social dos catadores, o conceito de logística reversa e a Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS), lei nacional.

O arquiteto João Luiz Potenza, diretor do Centro de Projetos (CP/SMA), explicou a atual situação e o andamento da Política Estadual de Resíduos Sólidos (PERS), lei paulista, e destacou o Plano Estadual de Resíduos Sólidos, os Termos de Compromisso de Responsabilidade Pós-Consumo e o Índice de Gestão dos Resíduos. Para Potenza “a capacitação técnica dos gestores das áreas públicas e privadas é fundamental para melhorar a qualidade da Gestão dos Resíduos da Construção Civil nas Obras”, que ainda ressaltou as oportunidades de financiamento junto a alguns órgãos como Fundo Estadual de Controle de Poluição (FECOP), Fundo Estadual de Recursos Hídricos (FEHIDRO) e Programa de Apoio Tecnológico aos Municípios (PATEM) para a realização de ações voltadas para o Gerenciamento dos Resíduos da Construção.

A engenheira Lilian Sarrouf fechou o painel explicando as alterações, mehorias e implicações ao longo dos anos da Resolução CONAMA nº 307 de 2002, que estabelece diretrizes, critérios e procedimentos para a gestão dos resíduos da construção civil.

O segundo painel abordou as soluções e oportunidades para os agregados reciclados e para o gesso, material utilizado na obra. Hewerton Bartoli, vice-presidente da Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos da Construção Civil e Demolição (ABRECON), apresentou o panorama do mercado de recicladoras no Brasil e informou que no estado de São Paulo são 79 usinas de reciclagem entre públicas, privadas, ativas, inativas e em implantação.

Este último painel foi encerrado por Carlos Roberto de Luca, diretor da Associação Brasileira de Drywall, que apresentou as soluções de reciclagem e destinação adequada para o gesso, que, conforme a Resolução CONAMA 431 de 2011, mudou de categoria classe C para classe B.