Disposição de resíduos é destaque do novo Painel da Qualidade Ambiental

 

A disposição de resíduos sólidos foi o destaque da segunda edição do Painel da Qualidade Ambiental que a Coordenadoria de Planejamento Ambiental – CPLA, da secretaria do Meio Ambiente – SMA, divulgou na tarde desta quinta-feira, 10.06. Para os técnicos que realizaram a publicação, a agenda do lixo se destacou graças ao trabalho do Projeto Ambiental Estratégico Lixo Mínimo, que está acabando com os lixões no Estado de São Paulo.
 
O Painel da Qualidade Ambiental sinaliza para a sociedade qual a resposta necessária para se alcançar um nível de sustentabilidade ambiental adequado aos padrões vigentes. A partir do diagnóstico do Painel é possível implementar e monitorar políticas públicas de acordo com os cenários traçados, com metas até o ano de 2020. Os indicadores do Painel abrangem nove temas ambientais: qualidade do ar, qualidade da água, saneamento ambiental, biodiversidade, mudanças climáticas, padrões de produção e consumo, conservação do solo, agenda ambiental descentralizada e fiscalização ambiental. O Painel classifica tendências, expectativas e metas baseadas nesses temas e, assim, faz papel de mediador e de referencial na discussão sobre os problemas ambientais paulistas.
 
“O meio ambiente precisa ser traduzido em ações que possam ser medidas, mensuradas e este Painel serve para mostrar isso”, disse o secretário do Meio Ambiente, Xico Graziano, durante o lançamento da divulgação. Graziano lembrou que em visita técnica feita no ano passado ao
País Basco, no extremo norte da Espanha, teve contato com um relatório ambiental que, apesar de técnico e de estar em um idioma muito diferente, era “completamente possível visualizar e entender o que eles queriam dizer”. “Essa é a idéia do Painel”, completou o secretário.
 
Além dos resíduos, também mereceu destaque na publicação a melhora da balneabilidade das praias, que se deu em grande parte devido ao trabalho realizado conjuntamente pela Secretaria de Saneamento e Energia, através do “Programa Onda Limpa”. Na agenda verde, quem se destacou foi a cobertura vegetal paulista divulgada no Inventário Florestal do Estado de São Paulo, publicado em março passado. Graças à mudança de satélite, com imagens muito mais aproximadas da cobertura vegetal, foi possível identificar mais 886 mil hectares de matas nativas, aumentado a cobertura paulista de 13,9% para 17,3%.
 
“Apesar de ser o maior estado da federação, e o mais industrializado, São Paulo tem uma boa qualidade ambiental”, resumiu o coordenador da CPLA, Casemiro Tércio Carvalho complementando que, ainda assim, “é possível aumentar mais este patamar”. Carvalho ainda enfatizou o envolvimento de todo o sistema ambiental paulista para que esta publicação fosse possível. Mais de 50 colaboradores, de todos os órgãos vinculados à SMA participaram do Painel.
 
No evento, o secretário Xico Graziano sugeriu que o Painel de Qualidade virasse lei, para garantir a sua publicação anual independente de gestões. Com ou sem lei, o secretário pediu que em todos os anos o material seja lançado durante as comemorações da Semana do Meio Ambiente. “Nesses dias o termo mais usado em todos os lugares é sustentabilidade. Tudo tem que ser sustentável, principalmente as políticas públicas”, falou.
 

O Painel da Qualidade Ambiental pode ser acessado na biblioteca virtual da CPLA.

 


Mais de 50 técnicos do sistema ambiental paulista participaram da publicação
Mais de 50 técnicos do sistema ambiental paulista participaram da publicação
Para Casemiro Tércio Carvalho
Para Casemiro Tércio Carvalho
 coordenador da CPLA
coordenador da CPLA