Corrida pela Paz Mundial-CISM Day Run

Há muito o esporte promove a amizade. Mais do que isso, modalidades populares, como o futebol, atingem façanhas, a exemplo do time do Santos Futebol Clube de Pelé, que em 1969, por duas oportunidades, provocou a paralisação da sangrenta guerra civil no antigo Congo Belga, para a realização de duas partidas amistosas. A influência benéfica dos esportes ganha ainda maior importância quando se sabe que militares estão envolvidos em iniciativas como a Corrida pela Paz Mundial, cuja realização em São Paulo aconteceu, em 18.02, no Parque Villa-Lobos, na zona oeste da capital.

O “Dia CISM de Corrida”, ou “CISM Day Run”, como é mais conhecido o evento nos países onde é realizado, simultaneamente no dia 18 de fevereiro, por coincidir com a data da fundação do Conselho Internacional do Esporte Militar – CISM, contou no Parque Villa-Lobos, local administrado pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente – SMA, com a participação de 300 integrantes das Forças Armadas do Estado.
Entre os membros do Exército encontravam-se o general Antônio Gabriel Esper, Comandante Militar do Sudeste, e o general João Carlos Vilela Morgero, comandante da 2a. Divisão; da Marinha, o vice-almirante Terenilton Sousa Santos, comandante do 8º Distrito Naval; e da Aeronáutica, o major de Infantaria Pedro Paulo Fuchs de Araújo, do 4º Comar. Na organização do evento, se destacaram o coronel Moura, do Exército, o capitão-tenente Eudimaci, da Marinha, e a tenente Carina, da Aeronáutica.

Os militares iniciaram o dia com tiros de canhão, de festim, e correram, em tropas, por blocos e entoando canções militares, típicas de cada corporação, pelo percurso de 3,6 quilômetros da ciclovia do Villa-Lobos, completados em cerca de 19 minutos. Os usuários habituais do parque iam abrindo caminho e saudando o grupo de frente, que atuava como verdadeiro abre-alas, portando faixas com mensagens de paz. Não faltou a tradicional faixa de chegada e, como não poderia deixar de ser, ao som do “Tema da Vitória”, consagrado nas vitórias do corredor Ayrton Senna na Fórmula 1.

Os organizadores da corrida lembravam que o evento celebrava a comemoração dos 61 anos do CISM, que tem sede em Bruxelas, na Bélgica, e cujo objetivo, entre outros, é o de buscar a paz mundial, por intermédio da promoção de atividades desportivas entre os militares, sendo reconhecida oficialmente pela Organização das Nações Unidas, desde 2006, como entidade promotora da paz. A meta, em 2009, era de alcançar a participação inédita de um milhão de militares. No Brasil, a competição teve um caráter especial este ano, por marcar o início dos preparativos para os V Jogos Mundiais Militares de 2011, idealizados como os “Jogos da Paz” e que serão realizados no Rio de Janeiro.

O administrador do Parque Villa-Lobos, José Henrique dos Santos, aprovou integralmente a iniciativa e convidou os representantes das Forças Armadas a repetirem a corrida em 2010. Trata-se de mais uma ação positiva e cada vez mais essencial, que, quem sabe, daqui a alguns anos, com base na força da amizade genuína nascida entre os militares desportistas de todo o mundo, resultem não na reconciliação apenas momentânea desfrutada pelos torcedores africanos em 1969, mas na erradicação dos genocídios de populações e etnias que hoje corroem a paz mundial.


Pista utilizada para Corrida pela Paz no Parque Villa - Lobos.
Pista utilizada para Corrida pela Paz no Parque Villa - Lobos.