Apreciadores de orquídeas podem desfrutar livro de Hoehne

Nenhum ambiente seria mais apropriado que a Estufa do Orquidário Dr. Frederico Carlos Hoehne, no Jardim Botânico de São Paulo, onde se pode apreciar espécies como “Encyclia cordigera”, típica do Norte do Mato Grosso e do Amazonas, ou “Brasilaelia tenebrosa”, quase extinta na natureza, mas antes fartas no Litoral do Espírito Santo e no Sul da Bahia.

Foi nesse local, com dezenas de espécies de orquídeas de todo o mundo, que o Instituto de Botânica – IBt realizou, em  24.11, o lançamento da reimpressão do livro “Iconografia de Orchidaceas do Brasil”, do naturalista Frederico Carlos Hoehne, publicado originalmente em 1949. Segundo Vera Bononi, diretora geral do IBt, a primeira edição está completando 60 anos: “Optamos pela reimpressão do livro, igual ao original, pois trata-se de uma publicação  muito procurada pelos estudiosos”.

O lançamento do livro reuniu os apreciadores de orquídeas. Entre eles, o secretário do Meio Ambiente, Xico Graziano, que se revelou um “apaixonado por essas flores”. Falando do autor, cujo texto o impressionou pelo estilo e pela profundidade do conteúdo, apontou trechos em que Hoehne antecipava as questões ambientais que a sociedade enfrenta hoje. “O Instituto de Botânica precisa promover as nossas coisas, como esta obra que faz parte do nosso patrimônio cultural’, disse o secretário. Por isso, quando o pesquisador Eduardo Catarino, chefe do Orquidário do Jardim Botânico, falou sobre outros dois livros, igualmente importantes, de Frederico Carlos Hoehne, Graziano não hesitou em garantir os recursos necessários para a sua reedição. Trata-se dos livros “Plantas Tóxicas e Medicinais” e “Plantas Aquáticas”, também esgotados há anos.
 
O lançamento contou ainda com a presença do professor Reinhold Ellert, ex-diretor do Instituto de Geociências, da Universidade de São Paulo, e genro de Hoehne. Ellert também destacou o trabalho de Hoehne como precursor da questão ambiental, “embora não tenha tido, em vida, o devido reconhecimento, o que está acontecendo agora, com a reimpressão de seu livro”. 
 
“A família sente-se orgulhosa, mas, mais importante do que isso, é o fato da publicação tornar-se acessível aos mais jovens que buscam referências sobre orquídeas e não encontram, pois a obra encontra-se esgotada há muitos anos”, afirmou. O livro “Iconografia de Orchidaceas do Brasil” é uma das obras mais conhecidas de Hoehner, responsável pela implantação, em 1928, das Estufas do Orquidário do Estado, que constituem a origem da instituição. As orquídeas constituíam o grupo de plantas preferido de Hoehne, entre tantas espécies da flora brasileira. A essas plantas dedicou anos de estudo, tendo descrito inúmeras espécies novas para a ciência, com ilustrações precisas e primorosas, e dando-lhes destaque no Jardim Botânico que começava a organizar.
 
Para isso, foi criado, em 9 de novembro de 1938, por decreto governamental, o Departamento de Botânica, tendo como diretor Frederico Carlos Hoehne. Dentre as atribuições do órgão constava a publicação da “Flora Brasílica”, para substituir a “Flora Brasiliensis”, de Martius, um projeto ambicioso de Hoehne e um marco no desenvolvimento da ciência botânica no Brasil. Na “Flora Brasílica”, a família “Orchidaceae” foi monografada a partir de 1945, com textos descritivos e ilustrações de espécies e gêneros. Quatro anos após, surgiu a “Iconografia de Orchidaceas do Brasil”, com o subtítulo “Resumo e Complemento da Monografia das Orchidaceas na Flora Brasílica”. Colocada à venda em livrarias, esgotou-se em poucos anos, tornando-se uma obra rara, muito procurada por orquidófilos e bibliófilos. Hoje pode ser considerada, com justiça, uma das obras mais importantes já publicadas no cenário da literatura nacional e mundial versando sobre orquídeas.
 
A reimpressão utilizou fotolitos originais da primeira edição, tendo uma tiragem de 500 exemplares que serão vendidos a R$ 200,00. Informações poderão ser obtidas pelos telefones (11) 5058-7276 e (11) 5073-6300, ramal 241.

Para o secretário Xico Graziano o livro faz parte do patrimônio cultural da sociedade
Para o secretário Xico Graziano o livro faz parte do patrimônio cultural da sociedade
Uma das espécies do orquidário
Uma das espécies do orquidário
De acordo com Vera Bononi
De acordo com Vera Bononi
 o livro é sempre muito procurado por estudiosos
o livro é sempre muito procurado por estudiosos